ico-home HOME    ico-agenda AGENDA    ico-noticias NOTÍCIAS

logo

Publicadas Estatísticas da Pesca 2017

O volume de descargas de pescado efetuado pelas organizações de produtores (OP) do Continente registou um decréscimo de 13,0% face a 2016, reflexo da menor descarga de cavala (-38,7%), carapau (-19,7%) e verdinho (-10,7%).

O preço médio anual do pescado fresco ou refrigerado descarregado em 2017 registou um aumento de 6,5%, passando de 2,10 €/kg em 2016, para 2,23 €/kg em 2017.

O pescado capturado pela frota portuguesa diminuiu 5,9% em relação ao ano anterior, ascendendo a 179 437 toneladas. A redução global da captura de pescado resultou do menor volume de pesca em águas nacionais (-5,3%), bem como da menor captura em pesqueiros externos (-7,1%). O pescado transacionado em lota gerou uma receita de 272 360 mil euros aumentando 1,1% comparativamente a 2016.

A produção, pela Indústria Transformadora da Pesca e Aquicultura em 2016 (informação mais recente disponível), de “congelados”, “secos e salgados” e “preparações e conservas” foi de 231 mil toneladas (234 mil toneladas em 2015), tendo o total das vendas representado 92% da produção nacional (91% em 2015). Esta indústria faturou 1 006 milhões de euros em 2016, mais 12,3% relativamente aos resultados de 2015.

As exportações de "Produtos da Pesca ou relacionados com esta atividade" atingiram 1 086,8 milhões de euros em 2017, o que representa um aumento de 10,7% em comparaçõ com o ano anterior. Espanha liderou o destino das exportações dos produtos da pesca, concentrando mais de metade do total (50,8%, +1,1 p.p. face a 2016).

Em 2017 o saldo da balança comecial de produtos da pesca totalizou -1 022,9 milhões de euros, o que representa um aumento do défice em 71,3 milhões de euros face ao ano anterior, tendo a taxa de cobertura sido de 51,5%,

Nas espécies sujeitas a limitações de capturas por quotas da UE em 2017 detsaca-se, relativamente a 2016, o aumento da quota de verdinho (+73%), tamboril (+54%), biqueirão (+18%), sarda, (+14%), raias (+10%), carapau (+7%) e lagostim (+5%).

No total as possibilidades de pesca para 2017 aumentaram 9% em relação ao ano anterior (+12% em 2016).

Consulte o documento

shutterstock 96989489